7 Mitos sobre Micropigmentação

Pigment Brasil Grandes Habilidades 2 Comments

Dizem que o artista de micropigmentação deve ser experiente e habilidoso em trabalhos manuais. Contudo é igualmente importante o conhecimento da teoria: a estrutura da pele, os processos que ocorrem após o procedimento, as substâncias contidas na tinta, etc. Quando há falta de conhecimento teórico surgem os mitos…

I MITO – TATUAGEM É SINÔNIMO DE MICROPIGMENTAÇÃO.

O primeiro mito e também mais düundido se refere ao nome do nosso trabalho. Os termos “micropigmentação” e “tatuagem” são considerados sinônimos e amplamente substituídos um pelo outro. O termo correto, contudo, é “micropigmentação” (“trucco permanente” em italiano). “Tatuagem” tem origem francesa e significa tatuagem artística ou tatuagem corporal. Se usarmos a palavra “tatuagem” ao falar com um profissional europeu, ninguém entenderá que estamos nos referindo à face. Assim o único termo correto é micropigmentação. Apesar disso vários clientes e artistas não tomam o devido cuidado para essas nuances e ainda usam o termo errado. Se o profissional não quer se perder entre a competição e atender às expectativas dos clientes, ele não tem outra opção além de utilizar a palavra “tatuagem” em anúncios, websites e redes sociais. outra técnica popular é o microblading, que é considerada um tipo de micropigmentação. Esse procedimento não necessita a penetração de uma agulha na pele como acontece na micropigmentação, mas realiza cortes com uma lâmina. Ela é uma micropigmentação semi permanente, e um procedimento completamente diferente.
Talvez possa se dizer que o microblading é um antecessor histórico da micropigmentação.Ele é uma antiga técnica usada nos primórdios: as mulheres se reuniam ao redor do fogo, faziam cortes na pele e passavam carvão.

A micropigmentação atual é um procedimento totalmente distinto, com equipamentos de alta tecnologia.

cyber_monday_pigment

II MITO – NÃO EXISTEM SÓ TÉCNICAS 3D, MAS TAMBÉM OUTRAS MAIS AVANÇADAS COMO 4D, 5D.

Toda arte de pintura é baseada em técnicas que permitem a criação de um efeito de volume (3 dimensões) em uma superfície plana (2 dimensões).Nós vivemos em um mundo 3D e espaços multidimensionais existem apenas em teorias científicas e matemáticas abstratas. Portanto qualquer propaganda sobre “multi D” na vida real é claramente enganosa. Uma exceção é a técnica 6D desenvolvida por David Brown, que é meramente uma marca e não tem relação com dimensões físicas. Seu método para posicionar os fios é inteiramente plano.

III MITO – TRABALHAR SEM ANESTESIA PRODUZ RESULTADOS MELHORES.

Essa afirmação é definitivamente errada; a anestesia não modifica a estrutura da pele de forma alguma, nem altera a fixação do pigmento. Seu único efeito é o maior conforto do cliente. Há 21 anos estou no ramo da micropigmentação e há 20 venho utilizando anestesia em todos os procedimentos. Eu me recuso a trabalhar com pacientes que não querem ser anestesiados. Primeiramente é impossível assisti-los sofrendo. Segundo que é fundamental, para obter um bom resultado, que o cliente esteja relaxado, assim como sua pele. Dessa forma é possível realizar o procedimento apenas uma seção, minimizando futuras correções. Quando o cliente se sente confortável o suficiente para realizar três procedimentos faciais em uma única seção, ele definitivamente retornará ao artista e o recomendará para seus amigos. Além disso, os anestésicos geralmente contêm não só o inibidor de dor (lidocaína), mas também adrenalina para afinar os vasos sanguíneos. Por isso quase não ocorrem sangramentos e o artista pode trabalhar em uma pele limpa, seca e suave, além de o cliente já poder ver o resultado final.
Portanto não vejo vantagem alguma em trabalhar sem anestesia. Preciso dizer que trabalho muito na Europa e lá a anestesia é proibida por lei. Por isso em diversos casos não pude utilizá-los nos procedimentos que realizei. Posso certamente afirmar que sem anestésicos é impossível obter um resultado de qualidade tão alta quanto com o seu uso.

IV MITO – ÁREAS DA PELE CAMUFLADAS PELA MICROPIGMENTAÇÃO SE DESTACAM QUANDO BRONZEADAS. E SE VOCÊ TOMAR SOL APÓS A MICROPIGMENTAÇÃO QUE DESTACA (TÉCNICA DE ILUMINAÇÃO FACIAL) OU CAMUFLAR AS OLHEIRAS ABAIXO DOS OLHOS, VOCÊ PODE FICAR COMO UM PANDA.

Áreas despigmentadas são geralmente pontos de vitiligo, cicatrizes ou estrias. Os melanócitos nessas áreas por algum motivo pararam de produzir melanina. Por isso a radiação solar não deixa essas áreas bronzeadas. O contraste entre as regiões brancas e a pele adjacente apenas aumenta depois da exposição ao sol.
Se desejamos camuflar as áreas sem cor, precisamos escolher o melhor momento para isso. É claro que você não deve realizar o procedimento logo após as férias, quando a pele ao redor está igual um chocolate. O melhor momento é no fim do inverno, onde a pele está em sua cor natural ou apenas levemente bronzeada.
É sensato camuflar a área nessa cor moderada. Então mesmo após uma temporada na praia o contraste com as áreas ao redor será minimizado.
Falando na técnica de iluminação facial, ou camuflagem de áreas escuras, nesse caso nós trabalhamos com uma pele onde os melanócitos produzem melanina normalmente. Na micropigmentação o pigmento é depositado na derme, enquanto que os melanócitos estão situados próximos à superfície, na epiderme. Portanto nesse caso a pele estará coberta pelo bronzeado durante o procedimento e as áreas iluminadas mudarão de cor junto com as áreas ao redor.

V MITO – O PIGMENTO BRANCO É IMPOSSÍVEL DE REMOVER, MESMO COM LASER.

Isso é verdade quando o pigmento branco puro foi usado, como nos casos de camuflagem de áreas escuras abaixo dos olhos ou na técnica de iluminação facial.
Porém, se o pigmento branco está próximo de outro, colorido, como na técnica Lipliner, então o processo de destruição de pigmento será efetivo. O mesmo ocorre com a tinta nude, onde as partículas do pigmento de cor branca são misturadas com outras, como vermelho, marrom ou cinza. Os pigmentos terão tonalidade acinzentada após a primeira seção de laser e serão removidos após os procedimentos posteriores.
Existem diversos mitos sobre pigmento, como por exemplo: dizem que ele muda de cor com o tempo, tornando-se amarelados ou acinzentados. Nos meus 20 anos de experiência nunca encontrei esse problema. Trabalho com pigmentos Biotek e seus pigmentos brancos nunca mudaram de tonalidade. É importante lembrar que pigmentos de alta qualidade não devem conter misturas. São contidos de dióxido de titãnio e seu comportamento na pele é previsível; ele desaparece lentamente em aproximadamente três anos.

VI MITO – PIGMENTOS DE ALTA QUALIDADE PARA TATUAGENS SÃO ACEITÁVEIS NA MICROPIGMENTAÇÃO.

Alguns artistas acreditam que o preço dos seus pigmentos é artificialmente elevado apenas pela aprovação que têm para aplicação na face, enquanto na verdade são idênticos aos pigmentos voltados para tatuagem. Na verdade as tecnologias para produção dessas duas linhas de produtos é consideravelmente diferente. Pigmentos para tatuagens corporais consistem principalmente de partículas orgãnicas grandes, de aproximadamente 30 mícrons. Em seu estado natural são removidos da pele rapidamente e a fim de aumentara sua fixação, são acrescentadas substãncias adesivas. Elas unem as partículas e permitem que o pigmento se estabeleça na pele por um longo tempo, em alguns casos pela vida toda. Esses adesivos são tóxicos para a face, especialmente nas áreas de membranas mucosas. Aqueles que usaram na micropigmentação dos lábios os pigmentos vermelhos voltados para tatuagem sabem que esses casos geram reações alérgicas, inchaços, ateromas e cicatrizes rapidamente.
Existe uma tabela de composição química dos pigmentos e nela você pode encontrar o conteúdo deaminasaromáticas. Se esse conteúdo for maior que o aceitável para emprego na face, esse pigmento é proibido para essa aplicação. Caso nós não prestemos atenção à esses limites estamos expondo nossos clientes à um risco considerável.

VII MITO – NÃO É NECESSÁRIO COMPRAR UM INSTRUMENTO PARA DESENHAR O RASCUNHO -ELE PODE FACILMENTE SER FEITO COM UMA CANETA COMUM DE GEL.

Primeiramente, desenhar utilizando uma caneta de gel não é nem um pouco estético. Segundo que mesmo médicos esteticistas, que aplicam injeções de toxina botulínica e aditivos, se recusam a trabalhar com marcadores médicos, e marcam os pontos para as injeções com lápis branco. Após a injeção o marcador entra na pele e pode-se dizer que ocorreu a formação de uma micro tatuagem, que apesar de pequena é um ponto escuro claramente visível.
Para fazer um bom rascunho eu recomendo que você use o menor pincel disponível e desenhe uma linha muito fina de tinta, para só então começar o trabalho com a agulha.

Anna Savina,

artista de nível internacional, instrutora de micropigmentação, diretora da Universidade de Micropigmentação em Milão, presidente da sociedade dos especialistas em micropigmentação estética, editora chefe da revista Pigment e sócia do centro conceito Pigment Club de micropigmentação em Moscou.

Comments 2

  1. Gostei muito da sua explicação! Miou um eterno aluno, todos os dias aprendendo, basta buscar informações com quem sabe! Obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *